Dicas E Artigos

Pesquisa: Obesidade e Hábitos Saudáveis

Ministério da Saúde analisa cenário da obesidade e conclui a necessidade de mudanças na rotina do brasileiro.

 

O Ministério da Saúde divulgou os novos dados da Pesquisa Vigitel (Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas)¹, referente ao ano de 2018.  O estudo aponta o cenário da saúde e mudanças de hábitos da população brasileira, tendo como destaque os altos índices de obesidade no país.

O número de obesos no Brasil aumentou 67,8% entre 2006 e 2018. Mas, ao mesmo tempo, a população passou a adquirir hábitos mais saudáveis. Os dados também aponta que o crescimento da obesidade foi maior entre os adultos de 25 a 34 anos (84,2%) e de 35 a 44 anos (81,1%,). E, apesar de o excesso de peso ser mais comum entre os homens, as mulheres apresentaram obesidade ligeiramente maior no último ano (20,7%) em relação aos homens (18,7%).

 

Excesso de peso também é questão importante

 

O Vigitel também registrou crescimento no excesso de peso em mais da metade da população (55,7%). Para avaliar a obesidade e o excesso de peso, levou-se em consideração o Índice de Massa Corporal (IMC). Através do cálculo, é possível classificar um indivíduo em relação ao seu próprio peso, assim como identificar complicações metabólicas e outros riscos para a saúde. 

Qualquer pessoa pode calcular seu IMC através de uma calculadora online e gratuita. O site do Vigilantes do Peso disponibiliza a ferramenta.

 

Duas mulheres jovens conversam. Uma está em cima de uma balança, enquanto a outra analisa seu peso.

 

Hábitos saudáveis

 

Na contramão do aumento dos índices de obesidade e sobrepeso, o brasileiro tem consumido com maior regularidade frutas e hortaliças (o percentual cresceu 15,5%). A prática de atividade física também aumentou 25,7% e o consumo de refrigerantes e bebidas açucaradas caiu 53,4% entre os adultos das capitais do país.

Mas, apesar de uma nova rotina, o brasileiro ainda peca com o alto consumo de alimentos ultraprocessados, de alto teor de gordura e açúcar. Alguns pontos importantes para que se estabeleça uma reeducação alimentar já estão encaminhados, mas existe um longo caminho para que os hábitos de alimentação, exercícios e bem-estar chegue ao ideal. E, nesse sentido, algumas atitudes muito fáceis de serem colocadas em prática podem fazer toda a diferença.

“Mesmo que o brasileiro esteja consumindo mais frutas e verduras, o consumo de alimentos ricos em gordura e açúcar ainda é alto, contribuindo para os números elevados de sobrepeso e obesidade. Além disso, cerca de 44% da população não alcançou o nível de atividade física proposta pela OMS – 150 minutos por semana. Alguns hábitos podem ser adotados para tentar reverter esse quadro como basear a alimentação em produtos in natura ou minimamente processados e procurar maneiras de se movimentar mais, seja com um esporte ou em um momento de lazer - como uma caminhada em parques e praias, por exemplo.”, explica Matheus Motta, Nutricionista do Vigilantes do Peso.

Um programa completo, como o Vigilantes do Peso, também pode ajudar no combate à obesidade e o sobrepeso. Com seus três pilares - alimentação, atividade física e bem-estar - é possível alcançar suas metas de um jeito saudável, sustentável e duradouro.

 

¹Pesquisa Vigitel (Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas)