Dicas E Artigos

Mitos e verdades sobre o ovo

Um alimento completo e de baixo custo. Vem saber mais sobre esse ex-vilão da alimentação balanceada.

Ele é completo porque é fonte de nutrientes, como proteína de alto valor biológico, lipídeos, folato, riboflavina, selênio, colina, vitaminas (A, D, E, K e B12) e sais minerais (ferro, fósforo, cálcio, magnésio, sódio, potássio, cloro, iodo, manganês, enxofre, cobre e zinco). Além disso, possui substâncias antioxidantes (luteína e zeaxantina). Os lipídeos, minerais e vitaminas estão presentes quase que totalmente na gema, e a clara é constituída majoritariamente por proteínas. Quem não gosta de adicionar o ovo na refeição?

Para não restar dúvidas, a recomendação para o consumo de colesterol de acordo com a American Heart Association (AHA) e a Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC) é de não ultrapassar 300 mg por dia. Isso torna seguro o consumo diário de um ovo, já que a quantidade de colesterol em uma unidade varia de 50 a 250 mg, dependendo do tamanho.

Sobre colesterol

É fundamental saber que o colesterol é um composto vital para o organismo, essencial na formação das membranas das células, na produção de hormônios sexuais, da vitamina D e de sucos digestivos. Além disso, desempenha papel importante nos tecidos nervosos e na origem de sais biliares. Não é à toa que é produzido pelo nosso próprio corpo.

Nem todo colesterol ingerido tem como destino certo a obstrução das artérias. A absorção do colesterol proveniente da alimentação depende de alguns fatores interpessoais, como fatores genéticos e de hábitos de vida.

O alto consumo de gordura saturada, carboidratos simples e o consumo excessivo de colesterol por dia interferem diretamente na alteração das taxas de colesterol no sangue, assim o consumo de ovo pouco acrescentará como risco para doenças no coração.

Além disso, pesquisas têm apontado que a presença da grande quantidade de nutrientes como DHA, proteínas e vitaminas no ovo pode contribuir para controlar os níveis sanguíneos de colesterol, quando o consumo for associado a alimentação e hábitos de vida saudáveis.

Mitos

  1. Doenças: o ovo apenas provoca doenças caso o seu manejo não seja adequado. Ou seja, apenas quando não é produzido, embalado e armazenado em condições de boa higiene e refrigeração. Se as etapas corretas forem cumpridas com segurança, o risco de contaminação é mínimo.
  2. Lavagem: lavar os ovos após a compra não é necessário. O produto deve ser armazenado apenas em temperatura e locais adequados. Lavar os ovos expõe a casca e remove uma camada protetora, o que aumenta a possibilidade de contaminação.

Verdades

  1. Ovo cru faz mal? Sim!  Existe avidina na clara do ovo, um fator antinutricional que impede a absorção da biotina, uma importante vitamina do complexo B. Além disso, é sempre bom saber a procedência e a forma de conservação dos alimentos antes de comê-los.
  2. O ovo é excelente para o cérebro? Verdade! Ele pode aumentar o QI e melhorar o funcionamento do cérebro, porque tem alto teor de colina e ômega. A colina é importante para a função cerebral em adultos e previne contra doenças neurodegenerativas, sendo importante para pacientes com Parkinson e Alzheimer. A colina presente no ovo também é importante para as gestantes, já que reduz os riscos de problemas na formação do cérebro do feto.
  3. Prolonga a saciedade? Correto! Por ser rico em proteína, torna a digestão mais lenta e auxilia no processo de emagrecimento. Além de compor as refeições com proteínas, o ovo tem a vantagem de conseguir se encaixar em qualquer refeição, seja ela café da manhã, almoço, lanche ou jantar.
  4. Cozinhar o ovo é a melhor maneira de consumi-lo? Com certeza! Quando o ovo é frito ou mexido, há adição de gorduras, aumentando as calorias e, dependendo do tipo de gordura, elevando o colesterol.