Dicas E Artigos

6 razões para você estar exagerando na comida

Todos temos um ponto fraco. Descubra o seu e busque um equilíbrio para que isso não influencie sua alimentação.

1 - Comer afetivo

Associar comida a sentimentos é normal, mas isso pode se tornar um problema quando se torna um método constante de lidar com eles. O gatilho que dispara o “comer emocional” começa em nossa garganta, não no estômago. Tendemos a imaginar um alimento específico para preencher um vazio. A sensação é geralmente assinalada por uma vontade incontrolável de comer fontes de carboidratos, pois nosso organismo converte carboidratos em glicose muito rapidamente, que interage com nossos hormônios e fazem com que nos sintamos melhor.

Se você está comendo como reação a sentimentos negativos, tente algo não-relacionado à comida para se sentir melhor - como meditação, exercícios de respiração ou uma atividade de que gosta, de preferência ao ar livre. Desenvolva planos que sejam alternativas à comida para os momentos do dia em que se sente estressado ou entediado. Pode ser ler um livro, assistir a um filme, sair com um amigo, checar suas redes sociais. Preencha seu tempo e crie um novo hábito.

 

2 - Coffee-breaks no trabalho

Celebrações de aniversariantes do mês, reuniões matinais regadas a bolos e salgadinhos, coffee-breaks entre palestras. Às vezes, nossos locais de trabalho parecem orientados a frustrar nossos objetivos alimentares saudáveis. Por isso, é importante sair de casa alimentado com um café da manhã saudável - sem fome, será mais fácil resistir às tentações que cruzarem seu caminho.

Você também pode ser proativo e ajudar a modificar a cultura da comida no seu local de trabalho. Substitua os lanchinhos habituais por frutas e castanhas. Leve algumas opções saudáveis de casa para que você não se sinta privado de comer e tenha mais controle sobre o que come.

 

3 - Queda de energia à tarde

Já parou para pensar por que você faz escolhas saudáveis pela manhã, para se pegar desistindo de tudo às três da tarde? O período é chamado de ‘fadiga da decisão’, quando nossa força de vontade começa a diminuir. A melhor coisa a se fazer é tentar reduzir sua exposição aos riscos nessa hora do dia: mantenha a comida afastada, evite ir ao mercado ou à loja de conveniência.

 

4 - Problemas com porções

Até alguém que faz as escolhas mais saudáveis possíveis e com as melhores das intenções está sujeito a comer demais, caso muita comida seja colocada em frente a ela. O “efeito do tamanho da porção” ocorre mesmo em pessoas que foram ensinadas sobre seu impacto e educadas para ficarem mais atentas aos seus sinais de fome e saciedade.

A solução é muito simples: servir porções menores. Algumas ideias para se ter em mente são: usar xícaras e colheres de medidas, servir a própria comida sempre que possível, comer em pratos menores, guardar as sobras imediatamente, escolher porções menores quando for comer fora e dividir o prato com alguém.

 

5 - Tentações da TV

Uma noite de folga em frente à TV, só você, o sofá... e um pacote de salgadinhos bem grande. Parece familiar? Comer em frente à TV faz com que você não pense ou saboreie a comida. Você apenas continua, sem consciência.

O hábito é muito difícil de quebrar, mas você pode tentar algumas táticas. Experimente preparar uma xícara de chá, por exemplo! Você não vai morrer de fome; nós fomos feitos para estocar energia, carboidratos e gordura.

 

6 - Deslizes da vida social

Quanto mais pessoas comerem com você, maior vai ser a sua ingestão de comida. Não está claro se isso acontece porque estamos distraídos sentados e conversando ou se é simplesmente porque temos comida extra disponível para ser consumida, mas a solução é reestruturar seu ambiente.

Retire o excesso de comida da mesa ou saia e continue a conversa em outro lugar, remova as armadilhas em vez de tentar combatê-las.